terça-feira, 11 de agosto de 2009

Quantas sacolas descartáveis você recusa por dia?

Para provocar a reflexão sobre a importância de reduzir as sacolas descartáveis do cotidiano, o Planeta Sustentável criou uma campanha diferente: através de um contador – na home deste site -, você pode registrar a quantidade de sacolas descartáveis que recusar a cada dia. Para cada NÃO, um clique. Que tal participar? E, ainda, compartilhar esta ideia?

Mônica NunesPlaneta Sustentável – 05/08/2009

A proposta do contador do Planeta Sustentável – que está em destaque na home do site - é incentivar a discussão e a reflexão a respeito de um problema tão sério como a proliferação das sacolas descartáveis, a partir do seu uso indiscriminado e irresponsável. Precisamos, realmente, de tantas sacolas – feitas de plástico e de outros materiais igualmente nocivos ao meio ambiente?

Será que precisamos delas para carregar qualquer produto que compramos ou, mesmo, para forrar latas de lixo? Por que não as substituímos por sacolas retornáveis – de pano, de lona vinílica (muito usada em banner promocionais) ou outros materiais recicláveis – que podem estar sempre à mão na bolsa ou no carro? Essa é a provocação que fazemos. Recusou uma sacola descartável no supermercado, na farmácia, na padaria ou numa loja? Ótimo! Registre, aqui, no contador. Para cada sacola, um clique. Divulgue esta ideia em casa, para seus amigos e colegas de trabalho ou da escola, em seu condomínio, no bairro...

Vamos acompanhar, juntos, quanto tempo leva para chegarmos a um milhão? Para facilitar seu registro e também a evolução dos cliques, você pode publicar o contador em seu site ou blog: o código está indicado no próprio contador.

“A forma lúdica desta campanha incentiva a pensarmos na questão e colaborar para diminuir a utilização de sacolas descartáveis, sobretudo as que são feitas de plástico”, explica Matthew Shirts, coordenador do Planeta Sustentável. “Esse contador cria uma outra dimensão para a ação. Cada leitor que recusar uma sacola, com certeza vai ajudar a fazer uma grande diferença no processo de conscientização”. DURA REALIDADE Hoje, a urgência em eliminarmos - ou, pelo menos, reduzirmos - o uso das sacolas descartáveis é inegável. Desde o início desta década - pelo menos - há diversas iniciativas, nesse sentido, pelo mundo. Algumas baseadas em pura ideologia e consciência; outras levando em conta “o bolso”, já que boa parte da humanidade - infelizmente - só entende a linguagem do dinheiro. Mas, que seja! O que importa é o resultado que se obtém da iniciativa: a redução da agressão ao meio ambiente. Eis alguns exemplos:- a Irlanda foi o primeiro país da Europa a aplicar impostos sobre o uso de sacolas plásticas. Isso aconteceu em 2002 e reduziu em 90% o consumo do produto; - em 2005, Ruanda acabou com a "festa" das sacolinhas; - em Bangladesh, isso aconteceu em 2007 ;- em 2007, também, São Francisco foi a primeira cidade a proibir o uso dessas sacolas; - no ano passado, a China começou uma campanha para acabar com as descartáveis gratuitas e - Israel, Canadá, Índia, Botswana, Kenya, Tanzânia, África do Sul, Taiwan e Singapura também proibiram seu uso ou estão a caminho disso.E por aqui? No Brasil, ainda não há registro de cobrança de impostos para o consumidor que optar pelas sacolinhas descartáveis. Talvez fosse uma boa alternativa.

Mas já existem algumas iniciativas interessantes: no ano passado, em Santa Catarina, a ACATS - Associação Catarinense de Supermercados liderou uma campanha para incentivar os supermercados a abandoná-las de vez. Em junho deste ano, foi a vez do governo se manifestar: o Ministério do Meio Ambiente - MMA lançou a campanha “Saco é um saco”, focando diretamente no consumo das sacolas plásticas. E a tendência é que esse tipo de manifestação cresça, cada vez mais. Afinal, as sacolas descartáveis ocupam espaço considerável nos aterros sanitários e lixões, onde demoram cerca de 400 anos para se decompor e ainda entulham ruas e parques e poluem os oceanos, matando os animais - baleias, focas, golfinhos, tartarugas e aves, só para citar alguns - que as engolem porque as confundem com alimento. Assusta pensar na quantidade de sacolinhas que circulam pelo planeta anualmente: - no mundo, são produzidas de 500 bilhões a 1 trilhão de sacolas plásticas - só no Brasil, são 12 bilhões.Hoje, a sacola descartável está presente no cotidiano de pessoas de todas as idades e classes sociais.

Para quem vende ou para quem compra, tornou-se automático associar qualquer produto a uma sacola: não só em grandes compras, como também nas pequenas. Quem nunca carregou um simples livro, uma caixa de remédio, uma lata de refrigerante ou qualquer objeto solitário numa sacola descartável? Mas o que o MMA aponta como a maior causa para sua proliferação é seu uso para forrar latas de lixo – seja em casa, na escola, em banheiros, nos escritórios... Então, está na hora de alterar hábitos.

Veja mais números e entenda porque é importante participar: vamos supor que você use/aceite seis sacolas plásticas por semana. Isso representa cerca de:

- 24 sacolas plásticas/mês
- 228 sacolas/ano
- mais de 22 mil ao longo de sua vida.

Já imaginou onde vai parar tudo isso?

O contador é a contribuição do Planeta Sustentável para incentivar essa mudança. Recuse, sempre, as sacolas descartáveis. Depois, registre aqui no nosso site.

LEIA TAMBÉM:O perigo da sacola plásticaSaco é um sacoLixo e arte no marPlástico é vida?Sopão de plásticoSC: sacolas plásticas nunca mais!ASSISTA:Embalagem eficienteO futuro das sacolas